Histórico

A integração lavoura-pecuária (ILP) é um sistema altamente promissor, capaz de, a um só tempo e utilizando a mesma área, otimizar a produção de grãos e a pecuária. Este sistema pode ser adotado tanto em grandes quanto em pequenas propriedades, especialmente naquelas produtoras de leite, que tradicionalmente utilizam a mão de obra familiar, no caso por exemplo na região sul do Brasil, como nas extensas áreas de produção agrícola no Brasil central e Argentina.

O sistema ILP começou a ser praticado inicialmente por alguns agricultores, e não era objeto prioritário da pesquisa. Da iniciativa destes agricultores é que se percebeu a potencialidade do sistema, mas também os problemas e desafios que ele gerava, e que necessitavam de soluções adequadas aos diversos fatores da produção agrícola. O sucesso do sistema depende de uma série de fatores, entre os quais o correto manejo da biomassa, o adequado planejamento forrageiro, o manejo criterioso dos solos, e a capacidade de gerenciamento do agricultor.

Pensando nestes fatores, em 2002 um grupo de professores da UTFPR, então CEFET/PR e da UNICENTRO, em conjunto com pesquisadores do IAPAR e extensionistas da EMATER promoveu o I Encontro de Integração Lavoura Pecuária no Sul do Brasil. Aquele evento teve grande sucesso, congregou pesquisadores, técnicos e agricultores em torno dos principais problemas detectados no sistema, especialmente para os sistemas usados no sul do Brasil. Houve naquele evento a validação técnica de um sistema que já era usado por muito agricultores, mas que despertava pouca atenção da pesquisa. A publicação “Anais do I Encontro de Integração Lavoura-Pecuária no Sul do Brasil” foi resultante deste evento (Figura 1). Entre os temas abordados nesta edição pode-se citar: Degradação física de solos, manejo de fertilidade, rotação de culturas, controle de plantas daninhas, planejamento da pecuária de corte e planejamento alimentar de bovino leiteiro em  ILP, entre outros temas.

Figura 1 Capa dos Anais do I Encontro de Integração Lavoura-Pecuária no Sul do Brasil. Pato Branco, CEFET/PR, 2002. 364 p.

Em agosto de 2007 a UFPR em conjunto com Emater e IAPAR organizou a segunda edição do evento, desta vez com caráter Internacional, sob o título de Simpósio Internacional em Integração Lavoura-Pecuária (Figura 2) com o claro objetivo de realizar troca de experiências entre pesquisadores de todo o mundo, visando um entendimento da relação solo-planta-animal, gerando assim um grande avanço do ponto de vista dos pressupostos básicos do sistema, ou seja, dos preceitos que devem estar contidos nas práticas de ILP.

Figura 2 Cartaz de divulgação do Simpósio Internacional em Integração Lavoura-Pecuária

Em 2011, a UTFPR, Campus Pato Branco, sob a coordenação do Prof. André Brugnara Soares, retoma a discussão da Integração Lavoura Pecuária com a realização do III Encontro de Integração Lavoura-Pecuária no sul do Brasil. Evento de grande sucesso, em termos do nível das palestras, assuntos abordados e discutidos, e participação de público. Naquela oportunidade buscou-se novamente o intercambio de experiências e o nivelamento técnico, entre instituições e pessoas, objetivando sistematizar os conhecimentos já existentes e identificar os temas emergentes, que deveriam ser abordados pelas pesquisas futuras até então.

As palestras e resumos apresentados no evento foram compilados em um disco compacto intitulado Anais do III Encontro de Integração Lavoura-Pecuária no Sul do Brasil (Figura 3).

Figura 3 Capa do disco compacto dos Anais do III Encontro de Integração Lavoura-Pecuária no Sul do Brasil. Pato Branco, 2011.

PALESTRAS DO EVENTO

Têm-se inúmeras mudanças de contexto vêm ocorrendo, como a necessidade de adequação dos agroquímicos, especialmente herbicidas, plantas tolerantes a certas moléculas de herbicidas, novas máquinas, de maior tamanho, retirada dos terraços das áreas de produção de grãos, novos materiais forrageiros, máquinas agrícolas, defensivos, pragas e doenças, calendarização de semeadura, preço da terra, mudanças climáticas, perdas de solo e águas, preço e custo de produção das comódites agrícola e pecuária, etc. Ou seja, o cenário ao qual os sistemas ILP são inseridos, está em constante mudança o que requer uma contínua análise, estudo e divulgação dos conhecimentos e tecnologias desenvolvidas.

Conforme trocas de experiências, os países do conesul compartilham alguns desafios e oportunidades, bem como outras regiões do Brasil, de outros tipos de solo e clima que não somente os ocorrentes no sul. Por isso, foi decidido realizar concomitantemente ao IV Encontro de ILP no sul do Brasil, o I Congresso Brasileiro de Sistema Integrado de Produção Agropecuária e dando uma abrangência maior, menos regionalizada, e promovendo maior intensidade de interações, entre instituições nacionais e internacionais.

feito com
icone criação de sites