Mais rentável que o trigo, produção de aveia cresce 110,6% na safra 15/16

1209_aveia_branca_lavouraA aveia é fácil de ser trabalhada, não é afetada por muitas doenças e é mais resistente ao frio que o trigo

Por Beatriz Fleming * (beatriz@sfarming.com.br)

Plantada durante o mês de maio e colhida no começo de outubro, a aveia é uma cultura que se expande ano após ano. Até então, a aveia é coadjuvante entre as culturas de inverno, cultivada geralmente como fonte complementar de renda pelos produtores dos estados do Rio Grande do Sul e do Paraná.

 

Porém, o cultivo da aveia está se tornando um negócio mais lucrativo. Entre todas as culturas de inverno, a aveia foi a que registrou o crescimento percentual mais expressivo na safra 2015/2016 e pode roubar espaço de culturas tradicionais como o trigo. O produtor gaúcho Nilson Schulz, que cultiva aveia em Juí (RS), por exemplo, estima um lucro de R$ 400,00 por hectare com o trigo e de R$ 500.00 a R$ 600,00 por hectare com a aveia.

 

Segundo o produtor, com clima favorável para a aveia em 2016, o faturamento será superior ao registrado na safra passada. ”Na safra passada o lucro não chegou a isso porque a gente teve muita chuva durante todo o plantio e no florescimento da planta”, conta. Já na safra atual, o frio não veio tão intenso para que pudesse causar grandes danos, as temperaturas tiveram uma boa média e as chuvas ficaram regulares. Segundo Schulz, se o produtor usar uma boa tecnologia para o desenvolvimento da cultura de aveia e  gerar um grão de boa qualidade, o quilo da aveia é vendido em média por R$ 0,50 e o custo de produção fica em torno de R$ 1.200 por hectare.

 

A aveia está em expansão

Segundo levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a estimativa é que a produção avance de 351,2 toneladas para 739,6 mil toneladas na safra 2015/2016, o que representa um aumento de 110,6% da produção. Além disso, a aveia branca no Rio Grande do Sul terá o maior aumento de área semeada entre todas as culturas de inverno, de 118,4 mil hectares para 218,3 mil hectares. Somando toda a área plantada com aveia, no Rio Grande do Sul e no Paraná, o crescimento deve ser de 52,6%, de 189,5 para um total de 289,1 mil hectares. Ainda de acordo com a Conab, o custo de produção da aveia na safra 2015/2016 é cerca de 50% menor do que o custo de produção do trigo.

 

Rotação de culturas

Com 60 hectares cultivados com aveia por safra, o produtor Nilson Schulz colhe 3.500 quilos de aveia branca por hectare. Além disso, a produção de inverno é consorciada com 70 hectares de trigo. ”Faço a rotação de culturas com o trigo porque isso traz uma boa proteção para o solo”,  diz o produtor. Na safra de verão, o produtor cultiva soja e milho, além de pastagens.

 

Segundo Schulz, a aveia é fácil de ser trabalhada, não é afetada por muitas doenças e, se comparada com o trigo, a aveia é mais resistente ao frio. ”O ponto mais crítico da cultura acontece logo que o grão começa a apontar para fora da terra, quando pode ser afetado pelo nanismo, uma doença causada por pulgão”, diz o produtor. Contudo, ele diz que não é algo que traz grandes perdas no cultivo e pode ser resolvido com tecnologia de tratamento de sementes.

 

Shulz cultiva as variedades URS Taura e a URS Brava de aveia e utiliza um regulador de crescimento fabricado pela Syngenta, chamado Moddus, que limita o crescimento da planta e permite maior aplicação de nitrogênio no solo. ”É para a planta ficar mais baixa e não cair com o vento e com as chuvas, se usa mais nitrogênio. Mas, se usamos o nitrogênio e não usarmos o produto, a aveia cresce demais e sofre um acamamento, ou seja, fica caída”, explica o produtor. Ele conta que ainda está testando a tecnologia e avaliando os resultados. “Ainda não sabemos o momento certo de usar”, diz Shulz.

 

* Beatriz Fleming é trainee, com supervisão de Darlene Santiago.

 

Fonte: sfagro.uol.com.br

feito com
icone criação de sites